Início - Notícias - Suspeito de matar a mulher e jogar corpo em terreno baldio é indiciado pela Polícia
Suspeito de matar a mulher e jogar corpo em terreno baldio é indiciado pela Polícia Imprimir
Qui, 31 de Agosto de 2017 14:22

A Polícia Civil de Pernambuco concluiu, na terça-feira (29/08), o inquérito que investigava a morte da dona de casa Maria Thainá Araújo dos Santos, de 20 anos. A vítima foi morta por asfixia no dia 16 de maio deste ano, e teve o corpo jogado em um terreno baldio, em Maria Farinha, Paulista, na Região Metropolitana do Recife. O cadáver estava com os pés e a mãos amarrados, mas não tinha perfurações de bala e sinais de agressão física. As investigações da polícia apontaram o marido da vítima, o mototaxista Wenderson de Oliveira Carneiro, 34 anos, como o autor do crime. Ele foi indiciado por homicídio qualificado, com o agravante de feminicídio.

De acordo com o delegado Álvaro Muniz, titular da Delegacia de Maria Farinha, o suspeito é natural de Campina Grande e está preso, temporariamente, desde o dia 2 de agosto por esse homicídio. “No dia do crime, a vítima enviou uma mensagem para mãe, dizendo que o marido queria matá-la. Em seguida, ela não deu mais sinal. Neste mesmo dia, a filha do casal, uma menina de 2 anos de idade, foi deixada na porta da casa da avó, localizada no bairro do Janga, em Paulista. Próximo ao local onde o corpo de Thainá foi encontrado. Em junho, conseguimos um mandando de prisão temporária contra Wenderson e no início de agosto, ele foi preso em Campina Grande. Já remetemos o inquérito ao Ministério Público e vamos pedir a prisão preventiva”, conta Muniz.

O delegado ainda disse que o marido já tinha passagem, pela polícia paraibana, por tráfico de drogas e violência doméstica. “Eles residiam em Campina Grande. Lá, os vizinhos relataram que Thainá vivia sofrendo violência. Em um dos depoimentos, ficamos sabendo que meses antes de matar a esposa, o companheiro chegou a enterrá-la viva”, relata.

Wenderson de Oliveira Carneiro está preso na Penitenciária de Campina Grande, onde aguarda a decisão da Justiça de Pernambuco. Se condenado, pode pegar de 12 a 30 anos de prisão.